“É um aprendizado muito maior, para ser um aprendiz para o resto da vida”


Entrevista com Lia Armelin diretora da See-Saw


Fundada em 1994, a SEE-SAW é uma das pioneiras do ensino bilíngue no Brasil. Baseada no modelo “Early Total Immersion” desenvolvido no Canadá, a escola preza por formar alunos que contribuam para um mundo melhor.


Recentemente, a SEE-SAW firmou parceria com a WorldEd; conversamos com Lia Armelin, Diretora Pedagógica do Ensino Fundamental II e Ensino Médio, para conhecer um pouco mais dessa contribuição.



1. Você poderia nos contar um pouco da sua história profissional?


Minha formação é em Psicologia na PUC. Mais recentemente, eu fiz um mestrado internacional na área de educação, com especialização em currículo, ensino e avaliação. Então tenho um Master of Sciences in Education.


Eu comecei como professora de Inglês enquanto cursava a faculdade. Em 2001, comecei a trabalhar na PlayPen, que foi a primeira escola bilíngue do Brasil, a pioneira mesmo. Depois de dois ou três anos que eu estava na PlayPen, eu vim para See-Saw, que também foi uma das primeiras. Está fazendo 25 anos esse ano, e eu estou no meu 15º ano na escola.


2. Quando e como você conheceu a WorldEd?


Eu já vinha há algum tempo procurando algum tipo de certificação para nossa escola, um programa internacional. Já tinha procurado IB (International Baccalaureate) e fui conhecer outras possibilidades, incluindo programas de High School. Recebi a indicação de uma professora aqui da escola, e entrei em contato com a WorldEd.


Percebemos que a WorldEd trazia uma possibilidade que poderia ser flexível, que nós poderíamos integrar no que já tínhamos desenvolvido. Porque existia esse medo, de perder um pouco do que era o nosso DNA, do que nós criamos. Com a WorldEd, encontramos uma certificação, e também a chance de nos alinhar com padrões internacionais de expectativas acadêmicas, mas integrado, também, ao nosso contexto local.


3. Como funcionou a integração da WorldEd com o currículo da See-Saw?